quarta-feira, março 8

Amor platónico | DIÁRIO


Paris,
tenho saudades tuas.
E dos sonhos que albergas,
da esperança que cultivas e 
do alento que me davas.

Paris,
tenho saudades de tuas,
mas mais saudades minhas.
Saudades do que eu era,
quando me vestia de quimeras
e passeava as minhas fantasias,

Paris,
tenho saudades das tuas ruas largas,
onde apenas cabem alegrias,
e nos dos becos sem fim,
onde tu sempre florias.

Paris,
tenho saudades das minhas virtudes,
das nossas euforias,
que ficaram por ai esquecidas.
Foste o meu maior amado,
E eu mais uma das tuas vadias.

11/365

1 comentário: